O dinheiro compra sucesso na música sertaneja?

Estava pensando em uma postagem sem citar nomes, expondo um pouco da minha ideia sem afetar a imagem de alguém, sem apontar dedos. Mas o blog é o único lugar onde posso expor certas opiniões próprias, que muitas vezes geram uma raiva entre alguns, e afinidade de ideias com outros.

Antes de tocar no delicado ponto que vou abordar, lembro a vocês que alguns grandes nomes (antigos e atuais) da música sertaneja já comentaram sobre o assunto.

Jorge, Victor, Rick, todo mundo já está cansado de ver cutucadas por toda parte, a maioria com raão.

O que mais incomoda atualmente não é nem a quantidade de porcarias que lançam nas rádios, o que me tira do sério são certos “cantores” que “pagam para fazer sucesso”.

Investem em publicidade em sites sertanejos, inclusive em blogs renomados do ramo, para conseguir a visibilidade do público e dos grandes empresários. O pior de tudo é que eles conseguem!

Vou citar um exemplo que para mim retrata bem o que estou dizendo.

Seja qual o site de música sertaneja que você visitar, vai ver alguma coisa relacionada a um tal de “Euripinho Sollo” (olha so o nome do sujeito) divulgando sua música e videoclipe de trabalho.

Pode até ser que esta exibição não seja paga. Mas eu acho muito pouco provável que uma música como “Cabaré da Lena” seja elogiada por blogueiros que se dizem admiradores do verdadeiro sertanejo de qualidade, de graça.

A música não é boa, o clipe não e bom, o cara não canta bem. E mesmo assim está estampado nos principais sites do mercado. Quem estiver duvidando, basta ver o clipe abaixo, tem Panicat, Marquito e mais um monte de coisa que não serve pra fazer um clipe ser bom.

Saudade dos tempos em que pra fazer sucesso a música teria que ser boa. Pretendo repercutir mais o assunto, aguardem.

Catira – Dança ou ritmo musical?

Com a grande audiência que o blog Ritmo Sertanejo vem recebendo neste ano, resolvi dar mais espaço para informações sobre a cultura sertaneja em geral.

Meses atrás foi publicado aqui, um artigo sobre o ritmo de Guarânia, que foi muito acessado. E com toda essa repercussão, resolvi tratar de outro tema neste post, a “Catira”.

A “Catira”, conhecida em algumas regiões como cateretê, é uma dança brasileira, em que o ritmo musical é marcado pela batida dos pés e mãos dos dançarinos.

Com influências indígenas, africanas e européia, é uma dança trazida pelos boiadeiros, eles iam tocando os gados, rancho afora quando descobriram que no assoalho daquele rancho fazia um barulho interessante, eles brincavam de bate palmas e pés. a catira tem coreografia executada na maioria das vezes por homens e pode ser formada de seis a dez pessoas e uma dupla de violeiros, que tocam e cantam a moda.

Características da catira:

A Catira em alguns lugares é executada exclusivamente por homens, organizados em duas fileiras opostas. Na extremidade de cada uma delas fica o violeiro que tem à sua frente a sua segunda voz, entoando uma terça abaixo ou acima.

O início é dado pelo violeiro que toca o “rasqueado”, para os dançarinos fazerem a “escova”, bate-pé, bate-mão, pulos.

Prossegue com os cantadores iniciando uma moda de viola. Os músicos interrompem a cantoria e repetem o rasqueado. Os dançarinos reproduzem o ritmo batendo os pés, as mãos e dando pulos. Vão alternando a moda e as batidas de pé e mão. O tempo da cantoria é o descanso dos dançarinos, que aguardam a volta do rasqueado. Confira no vídeo abaixo:

Conheça os sertanejos mais ricos do Brasil

Que o mercado sertanejo é o que mais movimenta dinheiro no Brasil, disso ninguém tem dúvidas, porém os números sempre são evitados pelos artistas (que sempre querem passar a imagem de simplesinhos).

Está circulando pela internet uma pesquisa com os 10 cantores ou duplas mais ricos do brasil, e como era de se esperar, 5 deles são sertanejos conhecidos pelo público, acompanhe abaixo:

1º: Zezé Di Camargo & Luciano

A dupla ocupa o 3º lugar dos cantores mais ricos do Brasil, perdendo apenas para Xuxa e Roberto Carlos. O patrimônio milionário da dupla não se deve apenas de shows, mas também da arrecadação de direitos autorais, venda de discos (mais de 20 milhões), empresas, e a criação de gado de elite que Zezé Di Camargo possui.

2º: Chitãozinho & Xororó

O carisma de Chitãozinho e Xororó nunca deixou os artistas na mão, os irmãos estão entre os sertanejos que mais aparecem em campanhas publicitárias e são líderes em vendas de discos. Desde os anos 90, no auge da música sertaneja romântica, o cachê da dupla foi um dos mais altos da América Latina.

3º: Leonardo

Ocupando o terceiro lugar da lista, está nada mais nada menos que o cantor Leonardo, um dos sertanejos que mais venderam discos e arrecadaram com shows no país. Atualmente Leonardo tem declarado que pretende diminuir com a carga de shows, alegando que não é pelo fato de já estar rico pois, segundo Leonardo “Dinheiro nunca e muito”.

4º: Daniel

Comemorando 30 anos de carreira, repleta de bons frutos, o cantor Daniel é um dos mais bem sucedidos artistas do Brasil, já tendo participado de novelas filmes anexados a milhões de discos vendidos ao lado de João Paulo e em sua carreira solo.

5º: Luan Santana

O líder em campanhas publicitárias, Luan Santana, diferentemente dos outros acima, conquistou sua fortuna de maneira muito mais repentina. Com apenas 5 anos de sucesso o cantor já ocupa a lista dos jovens mais ricos de todo país.

Entrevista especial com Rick Sollo

Na última sexta feira 03/08 estive numa conversa com o cantor Rick, que por 20 anos formou dupla com Renner, e agora segue em carreira solo.

Em novembro, sai sua biografia, “Minha Obra, Minha Vida”, escrita por Alexandre Novaski. Até o final do ano, a intenção é de que o projeto de um filme também tenha início.

Rick é nascido em Monte do Carmo, Tocantins, estado onde será gravado seu primeiro DVD solo, ainda sem data exata divulgada.

Em nossa conversa, perguntei a ele sua posição sobre as atuais críticas ao novo sertanejo que que vem sendo feitas por artistas reconhecidos da mídia, entre outras perguntas. Confira:

Pergunta: Atualmente, compensa mais formar uma dupla sertaneja, ou cantar sozinho?

Rick Sollo: Hoje em dia compensa fazer o que você gosta de fazer, o que você quer fazer. Eu acho que tanto e normal e aceitável formar uma dupla sertaneja quanto seguir carreira solo. Tudo depende da música que você faz, da convivência com o parceiro, tanto uma coisa quanto a outra e bastante viável e possível.

Pergunta: Qual a diferença entre o Rick (na dupla) e o Rick em carreira solo? o que mudou?

Rick Sollo: Mudou a liberdade musical cara, em dupla, eu tinha sempre uma explicação a dar, uma pergunta a fazer, um padrão a seguir. E em carreira solo eu tenho uma liberdade muito grande, um leque de opções onde eu posso me decidir por mim mesmo. E assim fica muito mais fácil.

Pergunta: Recentemente, diversos artistas reconhecidos na mídia fizeram declarações mostrando descontentamento com o mercado sertanejo atual, Qual a sua posição sobre o tema?

Rick Sollo: Eu acho que renovar é preciso, de preferência com qualidade. A música sertaneja nunca esteve tão vulnerável quanto ela esta agora, é uma coisa complicada, tem muita gente brincando, mas o lado bom é que no meio dessa coisa toda é que tem muita gente competente fazendo coisa séria, não dá pra generalizar.

Pergunta: Vemos que cada dia aparecem mais e mais artistas que emplacam com uma música e depois desaparecem, pra você, o que é preciso para sustentar o sucesso?

Rick Sollo: Pra isso é preciso fazer musica legal, se preocupar com letra, com melodia, e acima de tudo é preciso ter uma identidade vocal pra que quanto uma musica sua estiver tocando na rádio as pessoas não terem dificuldade de identificar que esta cantando, coisa que acontece muito ultimamente. Enfim, é preciso fazer musica boa e ter amor pelo que faz, e não simplesmente fazer música, passar o rodo, ganhar uma grana e sumir.

Pergunta: No seu novo CD, temos a participação de Leonardo e Eduardo Costa, em duas músicas que foram muito elogiadas, como é sua relação com os dois?

Rick Sollo: Cantar com o Leonardo foi uma coisa desejada a muito tempo, agente já se namorava, ele sempre gostou do meu trabalho, e eu do trabalho dele, mas nunca rolou. E a partir do momento que eu fui pro escritório dele, eu disse que esse seria o momento de fazermos alguma coisa juntos, e ele topou na hora. Sem falar que a música “Muda pra Goiás” não daria pra cantar com outro, pois eu chamo o nome dele no meio da letra. Para cantar comigo ser afinado.

Já o Eduardo Costa, desde que eu o conheci, eu acho que dentro da música ele é um dos meus maiores fãs, ele sempre foi muito verdadeiro comigo, sempre disse que era muito fã do meu trabalho. E agente sempre foi muito parecido no gosto musical, ai quando fiz musica eu achei a cara dele, convidei e ele topou na hora.

E pra encerrar, segue abaixo o primeiro videoclipe da carreira solo de Rick, “Vem Camila”: